2017 IFA–ISLAA Symposium: Call for Papers


ISLAA - Website - Initiatives - Post 51 - Postcard EN - 2016 IFA ISLAA Symposium Call for Papers.jpg

Institute of Fine Arts, New York University

April 14–15, 2017

Deadline: January 20, 2017

2017 IFA–ISLAA Symposium

Beyond the Symbolic: Art and Social Engagement in the Americas

Call for Papers

The Institute of Fine Arts and the Institute for Studies on Latin American Art are pleased to announce the second annual IFA–ISLAA symposium for emerging scholars. “Beyond the Symbolic: Art and Social Engagement in the Americas” will be held in New York on April 14–15, 2017. The symposium will include keynote lectures by Coco Fusco and Andrea Giunta.

In the aftermath of the 2016 US Presidential Election, Tania Bruguera issued the following call to artists: “The time for the symbolic has ended. Art is now a tool—not to make the system work better, but to change the system.” Recent political shifts have exposed the distrust that many feel for “the system” and the lengths that many will go to in the name of change. Across the globe, it has become clear that fantasies for the future can actually become an obstacle to achieving that very goal. We must ask: when does the desire for success become harmful, and how might failure reveal the realities experienced by the body politic? Furthermore, can artistic practice effectively engage with these phenomena?

A great deal of the discourse surrounding the art of the Americas has identified a seemingly inherent basis in the political. Whether taking the form of muralism in Mexico to enact revolutionary change, conceptual acts of public dissidence such as Tucumán Arde in Argentina and the interventions of the Colectivo Acciones de Arte (CADA) in Chile, or recent indictments of political violence in the work of Doris Salcedo, to name but a few examples, the lines between public controversy, state censorship, and public indifference have largely dissolved. Nonetheless, a cautious hope and a revitalized awareness of the importance of art and public action appear imperative as never before.

This symposium interrogates the relevance of merging art and politics in the Americas, especially in works that explicitly seek to resist political oppression, economic imperialism, and legacies of colonialism through public discourse. We aim to address not only contemporary works that marshal “relational aesthetics” at a moment of profound geopolitical crisis, but any intervention that has sought to target the body politic and yield political or social transformation. Less interested in quantifying the efficacy of such works, this symposium hopes to examine larger questions regarding the potential ability of artistic practice to produce concrete results—that is, the compatibility of art and activism. What constitutes success or failure? When, if at all, must art bear the burden of achieving sociopolitical change? For whom is this art produced, and to whom is it responsible? Might failure be a desired outcome?

Possible topics may include but are not limited to

• The politics of failure
• State censorship and models of resistance
• The risks of optimism
• Difference and empathy
• The ethical use of relics of violence
• Ephemeral art and its afterlives
• Parody, satire, and humor
• Ritual and public performance
• The ideologies of “apolitical” art and social apathy
• Media interventions and guerilla tactics
• New media as a pathway to new audiences
• Surveillance and subterfuge
• “Culture wars,” state funding, and standards of decency
• Curatorial initiatives and counter-histories (e.g. Red conceptualismos del sur)
• Reception history and historical reevaluation

Current graduate students, recent graduates, and emerging scholars are invited to apply. Applicants from fields outside the realm of art history are highly encouraged (e.g. Cinema and Media Studies, Performance Studies, Latin American and Latinx studies, Cultural Studies, History). Papers in languages other than English will be taken into consideration.

To apply, please submit an abstract of up to 300 words to symposium@islaa.org by Friday, January 20, 2017. Applicants will be notified of their acceptance by Monday, February 13, 2017. Presentations will be limited to 20 minutes, with additional time for discussion. In your application, please indicate your current institutional affiliation and from where you will be traveling. Limited funding will be available to assist with travel expenses.

This symposium is part of the Latin American Forum. Generously funded by the Institute for Studies on Latin American Art (ISLAA) and coordinated by Professor Edward J. Sullivan, Helen Gould Sheppard Professor in the History of Art, the Forum invites distinguished visiting lecturers to the IFA to foster greater understanding and recognition of Latin American art around the world. The symposium is organized by current IFA PhD candidates Brian Bentley, Madeline Murphy Turner, Sean Nesselrode Moncada, and Blanca Serrano Ortiz de Solórzano, and Juanita Solano Roa.

For further information or with any questions, please contact symposium@islaa.org.

ISLAA - Website - Initiatives - Post 51 - Postcard PT - 2016 IFA ISLAA Symposium Call for Papers.jpg

Institute of Fine Arts, New York University

14 e 15 de abril de 2017

Data limite para envio da candidatura: 20 de janeiro de 2017

Simpósio IFA-ISLAA 2017

Para além do simbólico: Arte e compromisso social nas Américas

Chamada Para Trabalho

O Institute of Fine Arts e o Institute for Studies on Latin American Art, têm o prazer de anunciar o segundo simpósio anual IFA-ISLAA para jovens pesquisadores. “Para além do simbólico: Arte e compromisso social nas Américas” ocorrerá em Nova Iorque, nos dia 14 e 15 de abril de 2017. O simpósio contará com duas palestras inaugurais de Coco Fusco e Andrea Giunta.

À vista dos resultados da eleição presidencial de 2016 nos Estados Unidos, Tania Bruguera fez o seguinte chamado aos artistas: “O tempo para o simbólico terminou. A arte é agora uma ferramenta—não para fazer o sistema funcionar melhor, mas para mudá-lo.” Mudanças políticas recentes expuseram a desconfiança que muitos sentem pelo “sistema” e as distâncias que muitos percorrerão em nome da mudança. Ao redor do globo, tornou-se claro que fantasiar sobre o futuro pode, na verdade, se tornar um obstáculo para alcançar a tal mudança. Devemos então questionar: quando o desejo pelo sucesso se torna algo perigoso? E como pode o fracasso revelar as realidades experienciadas pelo corpo político? Além disso, pode a prática artística engajar-se efetivamente com esse fenômeno?

Grande parte do discurso em torno da arte das Américas identificou uma base aparentemente inerente à política. Seja tomando a forma do muralismo no México para performar uma mudança revolucionária, atos conceituais de dissidência pública como a Tucumán Arde na Argentina, sejam as intervenções do Colectivo Acciones de Arte (CADA) no Chile, ou as recentes denúncias de violência política presentes no trabalho de Doris Salcedo, para nomear apenas alguns exemplos, os limites entre controvérsia pública, censura estatal, e indiferença generalizada, dissolveram-se grandemente. Não obstante, uma esperança cautelosa e uma consciência revitalizada sobre a importância da arte e da ação pública aparecem imperativas como nunca antes.

Esse simpósio interroga a relevância da união entre arte e política nas Américas, especialmente em obras que buscam explicitamente resistir à opressão política, ao imperialismo econômico, e aos legados do colonialismo através do discurso público. O simpósio procura abarcar não somente obras contemporâneas organizadas em torno da idéia de uma “estética relacional” em um momento de profunda crise geopolítica, mas também qualquer intervenção que busque atingir o corpo político e produza transformações políticas ou sociais. Menos interessado em quantificar a eficácia desses trabalhos, o simpósio espera examinar questões maiores referentes a capacidade potencial da arte em produzir resultados concretos – isso é, a compatibilidade entre a arte e o ativismo. O que constitui o êxito e o fracasso? Em que momento, se for o caso, deve a arte carregar o fardo de alcançar mudanças sociopolíticas? Para quem esse tipo de arte é produzida, e por quem é ela responsável? Pode o fracasso constituir o resultado desejado?

Temas possíveis podem incluir, mas não limitam-se a:

• A política do fracasso
• Censura estatal e modelos de resistência
• Os riscos do otimismo
• Diferença e empatia
• O uso ético de relíquias da violência
• Arte efêmera e suas vidas possíveis
• Paródia, sátira e humor
• Ritual e performance pública
• As ideologias da arte “apolítica” e a apatia social
• Intervenção midiática e táticas de guerrilha
• Novos meios para alcançar novas audiências
• Vigilância e subterfúgio
• “Guerras culturais”, financiamento estatal, e padrões de decência
• Iniciativas curatoriais e contra-histórias (p. ex. Red conceptualismos del sur)
• História da recepção e reavaliação histórica

Pós-graduandos, recém graduados, e jovens pesquisadores, são convidados a se inscreverem. Candidatos de áreas fora do campo da História da Arte (p. ex. Cinema, Estudos de Mídia, Estudos de Performance, Estudos da América Latina e Latinxs, História, Estudos Culturais) são fortemente encorajados a se inscreverem. Trabalhos em outro idioma que não seja o inglês, serão levados em consideração.

Para candidatar-se, por favor envie um resumo de seu trabalho com no máximo 300 palavras para symposium@islaa.org, até sexta-feira, dia 20 de janeiro de 2017. Os candidatos serão notificados de suas aprovações na segunda-feira, dia 13 de fevereiro de 2017. As apresentações terão o limite de 20 minutos de duração, com tempo adicional previsto para discussão. Em sua candidatura, por favor indique sua afiliação institucional atual e de onde estará viajando. Contaremos com um fundo limitado para gastos de viagem.

Esse simpósio é parte do Latin American Forum. Generosamente financiado pelo Institute for Studies on Latin American Art (ISLAA) e coordenado pelo Professor Edward J. Sullivan, Helen Gould Sheppard Professor in the History of Art, o Fórum convida os distintos acadêmicos visitantes a apresentarem seus trabalhos no IFA a fim de fomentar um maior entendimento e reconhecimento da arte latino-americana pelo mundo. O simpósio é organizado pelos atuais candidatos ao doutorado do IFA, Brian Bentley, Madeline Murphy Turner, Sean Nesselrode Moncada, Blanca Serrano Ortiz de Solórzano, e Juanita Solano Roa.

Para mais informações ou questionamentos, por favor contate-nos: symposium@islaa.org


 

SHARE: